Home » Directamente do Brasil » “Marido, Por Acidente (The Accidental Husband)” Griffin Dunne

“Marido, Por Acidente (The Accidental Husband)” Griffin Dunne


Tirando partido da sua estreia nas nossas salas de cinema nacionais aproveito, agora, para vos falar de um filme que tive o “prazer” de assistir durante as férias de Verão.
Digamos (sem desprimor pelo mesmo) que fomos praticamente obrigados a assistir a este The Accidental Husband – contrariando o nosso princípio basilar de, sempre que possível, optar por filmes brasileiros… quando de férias no Brasil.

Adoraria dizer-vos que fomos surpreendidos, que pese embora as diminutas expectativas o filme nos agradou de sobremaneira, que foram 90m de puro divertimento/romance, porém, a história não é bem assim!
Enquanto comédia afectiva ou doce sátira sobre “conselheiros” sentimentais, o filme até tem o seu quê de cativante e refrescante, o problema é quando se tenta transformar num romance de algibeira e aí sente-se que lhe falta muita coisa!
A momentos recorda-me The Ugly Truth. O problema é que Jeffrey Dean Morgan (ainda) não tem o carisma de Gerard Butler e Uma Thurman (já) não é muito de usar vestidos justinhos ou decotes acentuados – se é que me entendem!

Patrick Sullivan (Morgan) está prestes a casar, dando asas a um verdadeiro conto de fadas, após ter conhecido a sua parceira no decorrer de um incêndio. No entanto, o amável bombeiro não esperaria que, através do seu programa de rádio de aconselhamento a jovens apaixonadas, a Dr.ª Emma Lloyd (Thurman) interferisse profundamente na sua vida.
De um momento para o outro Patrick vê a sua vida desabar e como retaliação forja (informaticamente) o seu casamento com Emma.
Ela própria de casamento marcado – com o aristocrata Richard (Colin Firth) – e com uma mediática carreira (como escritora e psicóloga) pela frente, procura desesperadamente pelo seu “novo marido”. No entanto, o processo de anulação do seu “casamento” será bem mais complicado do que o que seria de supor…

Em tempo de férias qualquer momento de descontracção e boa disposição é sempre apreciado. No entanto, agora que vos escrevo, é bem mais fácil de constatar que não havia ali muito por onde se pegar.
Obviamente que a falência do grupo responsável pela sua distribuição (o mesmo de Nothing But the Truth) não ajudou na sua conclusão nem, tão pouco, na sua promoção e consequente performance nas bilheteiras.

Claro que, por outro lado, podemos sempre argumentar que terá sido por excesso de filmes desta qualidade que a empresa foi à falência… ups!!

Site Oficial
Trailer

About

Já vão 10 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Pub

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: