Passatempos

Home » Estreias » “Martha Marcy May Marlene” de Sean Durkin

“Martha Marcy May Marlene” de Sean Durkin


O olhar de Elizabeth Olsen diz muito mais do que todo o filme!

Janeiro foi um mês complicado (recheado de novas estreias e filmes alucinantes) e isso obrigou a deixar em atraso o comentário a alguns filmes.


Um deles é este Martha Marcy May Marlene.

O sucesso do filme no Sundance Film Festival lançou-o num importante percurso artístico, coleccionando elogios e prémios.
Uma das grandes revelações do filme foi Elizabeth Olsen que, praticamente do nada, arrancou os mais mais rasgados louvores e criou quase instantaneamente uma carreira na 7ª arte.
Outro dos grandes beneficiados foi John Hawkes (num papel a lembrar Winter’s Bone) num registo intimidatório e arrepiante que assusta… ao primeiro olhar!

Curiosamente a presença de Hawkes obriga, precisamente, à associação a Winter’s Bone. Ambos contam a história de uma menina “indefesa” que se vê envolvida por um mundo sinistro e assustador, no interior norte-americano. Porém, a minha visão dos filmes é definitivamente afectada pela expectativa criada relativamente a ambos. É que estavam ao …. contrário!

Winter’s Bone não é um filme sobre uma rapariga “refém” da sua sociedade e Martha não é a rapariga forte que afronta os seus demais!
Com isto, o 1º filme acabou por revelar-se uma agradável surpresa, enquanto o 2º suou a infeliz decepção!

Elizabeth Olsen carrega (literalmente!) o filme às costas!
Durante 1h30 vamos conhecendo a sua história recente, os seus estranhos hábitos, os seus “amigos” duvidosos e as razões que a levaram a … fugir! Em paralelo vamos sentindo também, a dificuldade que Martha revela ao tentar regressar a uma sociedade que já não é a sua. Os longos flashbacks ajudam a perceber o estado débil em que ela se encontra mas para mim, não serão suficientes para justificar o seu estado psicótica!

Tal como já evidenciei por diversas vezes (a última das quais em Melancholia) tenho imensa dificuldade em aceitar estas personagens alheadas da sociedade que limitam-se a viver da sua completa depressão… como se isso fosse uma obrigação! E custa-me ainda mais valorizar estes desempenhos!

No caso de Elizabeth Olsen a depressão é intervalada por alguns momentos de puro vazio de alma que ajudam a “justificar” tamanha comoção em torno do seu desempenho.
Mas se a mana mais nova do clã Olsen deu muito nas vistas, John Hawkes merece igual consideração. É que se fazer de bonzinho já não é fácil, alguém fazer de mau e com esta qualidade é cada vez mais difícil de encontrar!

Ainda consigo perceber o porquê de tanta atenção, apenas não partilho da opinião!
Talvez seja (cinema) independente demais para mim…

 

Site Oficial
Trailer

About

Já vão 16 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Leave a Reply

%d bloggers like this: