Home » Directamente do Brasil » “O Palhaço” de Selton Mello

“O Palhaço” de Selton Mello

Não é primeira vez que o ator Selton Mello trabalha como Diretor, mas certamente é a sua mais bem sucedida incursão na direção.

O Palhaço é, sobretudo, um filme para quem gosta de Cinema, uma obra refinada com muito apuro técnico. Lembrei-me do filme espanhol Sexo por Compasión (1999) que inicia em preto e branco e paulatinamente vai assumindo cores na medida em que seus personagens vão despertando para a vida. Genial artifício da fotografia.
Este mesmo recurso é utilizado de forma parecida no filme de Mello. Quando seus personagens adentram o picadeiro, assumem um colorido exuberante. Quando o espetáculo termina e as cortinas são definitivamente fechadas, as cores da rotina, da insatisfação e do vazio dão o tom. Pura metáfora!

No filme, Selton Mello protagoniza o engraçado palhaço Pangaré que é uma das estrelas do circo Esperança (repare como é sugestivo esse nome ao contexto que o filme apresenta) que excursiona pelas cidadezinhas do interior. Seus gestos demasiadamente teatrais e suas piadas vez por outra picantes fazem sucesso e ajudam a garantir a sobrevivência da trupe. Mas quando o espetáculo do dia chega ao fim, o dinheiro é contabilizado e a maquiagem retirada, conhecemos Benjamim, que não tem graça alguma, é desbotado e triste.

Desde o início percebemos que uma grande insatisfação injustificada move o seu personagem, que sente crescer dentro de si um vazio tão grande quanto as enormes paisagens captadas pelas câmeras. O problema é que nem ele sabe explicar os motivos daquela sensação, que nos é apresentada pelo seu eterno olhar perdido, na dificuldade para travar conversas com estranhos, na insônia e no crescente desejo por um ventilador.

Tudo é simbólico na narrativa e talvez por isso O Palhaço seja um filme tão reflexivo e poético. É justo destacar a atuação memorável de Paulo José que faz o palhaço Puro Sangue, dono do circo e pai de Benjamim. Aliás, todo o elenco é competente destilando personagens interessantes em situações ora corriqueiras, ora inusitadas.

Sem dúvida esta é uma obra que consolida o trabalho de Selton Mello como um dos expoentes do cinema brasileiro na última década e passa a ser uma referência do gênero através de um filme sensível sobre a eterna insatisfação humana.

by Christian Falkembach

Site Oficial
Trailer

About

Já vão 10 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Pub

Comments

  1. Janayna Souto diz:

    E para chamar a vossa atenção ao grande Selton Mello e ao cinema brasileiro deixo cá o comentário. O número escolhido para o passatempo "O Mascarilha – Lisboa" é o 13, do Treze Futebol Clube, meu clube de futebol no Brasil, lol! 🙂

    Bom filme ao vencedor! 😉

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: