Passatempos

Home » Estreias » “Por Detrás do Candelabro (Behind the Candelabra)” de Steven Soderbergh

“Por Detrás do Candelabro (Behind the Candelabra)” de Steven Soderbergh


Steven Soderbergh “gosta” tanto de fazer cinema de entretenimento como de autor, intercalando filmes que lhe dão o reconhecimento do público com os que lhe dão o reconhecimento da crítica – e às vezes ainda se dá para experimentalismos que interessam… a ninguém poucos!

Com isto, o realizador de Atlanta tornou-se num dos principais cineastas norte-americanos da última década e seguramente – pese embora as recorrentes “ameaças” de reforma compulsiva – uma principais referência do cinema para os anos vindouros.

Desta vez Soderbergh foi, aparentemente, longe demais, pelo menos de acordo com os standards norte-americanos de… promiscuidade. “Acusado” de ser demasiado homossexual, o filme foi rejeitado pelos estúdios norte-americanos que não quiseram assumir o risco de o lançar no cinema.
Até que surgiu a HBO Films – subsidiária da maior cadeia de televisão privada dos EUA – assegurando a produção do (tele)filme e o seu lançamento nos EUA, em televisão.

A “publicidade” do caso, o nome dos envolvidos, a expetativa de qualidade do filme e a natural apetência do cinema europeu para confrontar os seus parceiros norte-americanos, fizeram de Behind the Candelabra num dos candidatos à Palm d’Or do Cannes Festival deste ano, potenciando o seu percurso comercial no “velho continente” que veio a confirmar-se durante este Verão.

Um percurso sui generis, sem dúvida, mesmo para os parâmetros de Soderbergh.

Se o nome do realizador foi incessantemente repetido neste preâmbulo, Michael Douglas merece igual (ou maior) destaque daqui em diante. A sua impersonalização de Liberace será, seguramente, o seu desempenho mais marcante dos últimos 25 anos… pelo menos! Teremos de recuar até aos anos 80 (Wall Street e Fatal Attraction) para comparações.

O seu Liberace é realmente incrível. Na voz, nos maneirismo, no carisma e na fragilidade, mesmo para aqueles (como eu) que mal conhecem o artista, é indiscutível o trabalho (e o talento) necessário para construir um boneco desta exímia qualidade!
Douglas surge quase irreconhecível fruto de um intenso trabalho de Caraterização e Guarda-Roupa e, claro, de um virtuosismo próprio que nos transporta, por completo, para uma época (o final dos anos 70) e um espaço (Los Angeles e Las Vegas) invulgares.

Matt Damon merece igualmente algum crédito pela qualidade do resultado final. O “seu” Scott Thorson – o jovem, muito jovem, que Damon encarna com vasta qualidade, apesar dos seus já 42 anos – é o rastilho que faz todo o filme girar, demonstrando uma química fenomenal com Michael Douglas, ainda para mais num papel bem mais ingrato e complexo.

Este romance, encenado de forma irrepreensível ao longo de quase 2h, será tudo menos convencional. Dois homens, um artista de fama inquestionável e um jovem sonhador, uma era em que a homossexualidade era plenamente reprimida e disfarçada e um realizador que não olha a preconceitos para exprimir a sua visão.

Mas, tal como a vida, Behind the Candelabra não é só um olhar curioso sobre os “prazeres” de um artista invulgar. Soderbergh “mete o dedo na ferida” e mesmo sem assumir partidos não deixa de desmistificar o homem por detrás do candelabro artista!

Durante 5 anos, Liberace (Douglas), um dos mais famosos e duradouros artistas norte-americanos dos meados do século passado, manteve uma relação amoroso com Scott Thorson (Damon), um jovem e bem parecido aspirante a veterinário. Bem longe dos olhos da opinião pública, o pianista entretinha-se regularmente com com miúdos bem constituídos e bem mais novos do que ele.
Apesar da diferença de idade (60 vs 18) e de status, a cumplicidade entre os 2 é inquestionável… até que a natureza de cada um começa a evidenciar-se…

Com um ritmo acelerado – característico da obra do cineasta – e recheado de pequenas surpresas e revelações, o filme conduz-nos por entre os meandros do star system norte-americano, numa época em que eram poucos os impedimentos e as restrições… desde que fosse tudo feito longe dos olhares do grande público.

Entretanto Behind the Candelabra conquistou 11 Emmy’s (os prémios da TV norte-americana), entre eles Melhor Minissérie ou Telefilme, Melhor Realizador, Ator (Douglas) e Elenco nessa mesma categoria. O merecido reconhecimento para uma obra que mesmo “maltratada” pela indústria acabou por triunfar EM GRANDE, fruto de uma qualidade bem acima da média!

Longe de ser convencional, Soderbergh continua a definir o seu caminho e a cada promessa que se irá retirar na 7ª arte, fica a clara convicção que seremos nós quem mais irá perder no dia que essa “decisão” se efetivar. Até lá resta-nos desfrutar do seu multifacetado talento.

Há filmes assim.

Site Oficial
Trailer

Os verdadeiros.

About

Já vão 16 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

  1. Gostei imenso deste filme, muito bem realizado e sem dúvida um grande trabalho do Michael Douglas.

Leave a Reply

%d bloggers like this: