Home » Estreias » X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (X-Men: Days of Future Past)” de Bryan Singer

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (X-Men: Days of Future Past)” de Bryan Singer



First Class
não foi um claro sucesso de bilheteiras (especialmente nos EUA) mas tinha a qualidade (mais do que) suficiente para dar asas a uma nova abordagem com universo X-Men.

Um ano depois de Kick-Ass, Matthew Vaughn voltava a convencer com uma abordagem inteligente e bastante dinâmica de mais um sucesso dos comics, criando uma vasta falange de admiradores e curiosos (quanto ao rumo a seguir).
Infelizmente, tal como aconteceu com a história de Hit Girl e dos restante vigilantes, Matt seguiu o seu rumo (ou foi convidado a seguir) e deixou novamente a sequela de um filme seu em mãos alheias.

… e o resultado está longe de ser o esperado!

Começamos pelo poster oficial… e novamente a comparação com o capítulo inicial (e as nossas expetativas). First Class era um filme sobre dois amigos, Charles (McAvoy) e Erik (Fassbender) e a forma como se tornaram inimigos, rivais, antagonistas. Days of Future Past deixa por completo de lado a génese do seu antecessor, concentrando atenções em Logan (Jackman), Raven (Lawrence) e um vilão (ou vilões) de extrema argúcia… e “poder de fogo”. Afinal são eles que surgem ao centro.

Se relativamente à ‘mulher de azul’ e aos Sentinels (e o seu criador) até se compreende – tanto do ponto de vista de entretenimento como de impacto mediático – já relativamente a Wolverine, não consigo encaixar. Nada contra Hugh. O australiano continua em grande forma e com grande carisma mas depois dos 3 X-Men originais e de 2 filmes a solo (e com mais um a caminho) não me parece que houvesse a mínima necessidade de o impor também neste novo franchise.

Tal como antecipado no comentário a First Class seria necessário um argumentista brilhante para mudar a História que já conhecemos. Ora Simon Kinberg segue precisamente a receita de Orci e Kurtzam (em Star Trek) e deixa que uma “viagem no tempo” faça o trabalho por si…

Ameaçados de extermínio por um implacável exército de Sentinels, os mutantes (restantes) unem esforços num último fôlego pela sua sobrevivência.
Lagon volta atrás no tempo – ou pelo menos a sua consciência o faz – para o momento crucial na história dos X-Men, os anos 70 e o final da Guerra do Vietname. Numa época em que Xavier e Lehnsherr não podiam estar mais afastados, Logan terá de os convencer a unir esforços para reencontrar Raven e alterar o destino… de todos.

À parte do brilhante momento protagonizado por Quicksilver (Evan Peters) – não bastava a Marvel e a Fox partilharem os direitos sobre a personagem, esta ainda tinha de assumir este protagonismo – as melhores cenas resultam precisamente da química estabelecida entre McAvoy e Fassbender. E deveria sê-lo durante todo o filme, digo eu.

Days of Future Past não encanta.
O momento Histórico fica a léguas da Crise dos Mísseis cubanos de First Class. Perde-se alguma da frescura evidenciada no seu antecessor. O clímax não é tão virtuoso.
Pode parecer injusta a comparação, especialmente dada a incomparável diferença de expetativas que antecederam ambos os filmes. Mas depois de criado um “novo” universo, bastaria a Singer trilhar um novo rumo, nem necessidade de recuperar o que/quem já conhecíamos.

Como filme único, DoFP é uma obra cativante e apaixonante que entretém durante 2 rapidíssimas horas mas quando o analisamos à imagem do universo (cinematográfico) X-Men e. em especial, em função do seu antecessor, fica um inesperado amargo de boca.

Esperemos pelo “regresso” dos novos protagonistas, na sequela que se segue, já em 2016!

Site Oficial
Trailer
Trailer 2

About

Já vão 12 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Pub

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: