Home » Estreias » “Cidades de Papel (Paper Towns)” de Jake Schreier

“Cidades de Papel (Paper Towns)” de Jake Schreier


Hollywood tem esse bestial hábito de apostar em fórmulas de sucesso. Atores, realizadores, argumentistas, autores, histórias, ideias, cenários, tudo o que garanta retorno é repetido (até à exaustão!) mesmo que nem sempre com o resultado esperado.

Desta vez o afortunado é John Green, Depois do surpreendente sucesso de The Fault in Our Stars, o autor norte-americano vê praticamente todas as suas obras literárias a caminho da 7ª arte. A primeira a chegar até nós é Paper Towns e há duas ideias fundamentais que retemos de imediato: nem todos as obras podem ser primas e nem todas as adaptações conseguem chegar perto do potencial da sua origem.

Jake Screier chegou à 7ª arte com Robot & Frank, um filme simples, modesto mas com uma grandeza emocional bem acima da média. Dito isto, pareceria o realizador indicado para transpor os textos de Green para cinema. Mas algo não funcionou.

Durante anos Quentin (Nat Wolff) viu a sua amiga de infância (e eterna paixão) Margo (Cara Delevingne) tornar-se numa figura enigmática e numa das mais populares raparigas do liceu. Mas à medida que os anos passavam a distância entre ambos ia-se tornando num vazio inultrapassável até ao dia que ela lhe bateu à janela para o convidar para uma noite de “acerto de contas”. No dia seguinte Margo desaparece de casa e Q parece ser o único que a pode (re)encontrar!

A caça ao tesouro tem as suas valências e, acima de tudo, o condão de nos manter despertos e curiosos porém, o encanto vai-se desvanecendo aos poucos, até se esfumar com o epílogo final. O filme tem dificuldade em esconder algumas lacunas, umas mais evidentes que outras, mas sobretudo falha ao não criar a necessária empatia com o (seu) público.

Rezam as crónicas que o filme falha, igualmente, na sua transposição para a 7ª arte. Parecem naturais (e recorrente) as críticas dos fieis leitores à forma como os enredos são adaptados mas, pelo menos desta vez, é algo que mesmo os não leitores conseguem detetar ou, no mínimo, pressentir.

A história desenvolve-se a bom ritmo, as personagens “nascem” com grande naturalidade e o público alvo parece retrato de forma competentíssima mas fica a inquietante sensação que faltou… alma.

A mensagem seria poderosíssima mas, simplesmente, não passou (para o lado de cá!).

Site
Trailer

About

Já vão 10 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Pub

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: