Home » Estreias » “Inferno” de Ron Howard

“Inferno” de Ron Howard


Prosseguem as aventuras de Robert Langdon na 7ª arte, no entanto, verdade dessa dita, a qualidade das adaptações seguem em sentido inverso ao crescendo de mediatismo e sucesso dos romances de Dan Brown.

Depois de The Da Vinci Code e Angels & Demons, chega agora a vez de Inferno ver a luz o escuro das salas de cinema. Tom Hanks, Ron Howard e David Koepp (protagonista, realizador e argumentista, respetivamente) voltam a colaborar na adaptação da 4ª aventura do professor de simbologia – Lost Symbol permanece apenas nas páginas dos livros – e durante grande parte do tempo/filme nada a apontar, para lá da bela homenagem a Florença.

A renascentista cidade italiana que ganha vida nas palavras de Dan Brown tem o merecidíssimo tratamento cinematográfico na adaptação de Ron Howard. O problema vem a seguir. Enquanto Veneza é tratada com algum distanciamento, Istambul soa a falso. Neste caso a questão é bem mais narrativa do que cénica.

Mesmo tentando manter a distância face ao material original, é impossível não reparar nas profundas alterações ao enredo, especialmente no último acto. É francamente compreensível a necessidade em encontrar uma trama visualmente mais cativante e cinematográfica porém, o resultado final – para além de roubar grande parte do sentido moral da obra do autor norte-americano – acaba por se traduzir num desfecho algo confuso, insípido e até banal.

Langdon (Hanks) acorda numa cama de hospital, gravemente ferido e sem qualquer memória das últimas 48h. A seu lado a jovem e prestativa Drª Sienna Brooks (Felicity Jones) que o coloca ao corrente do seu estado clínico. Apesar de combalido, rapidamente Robert é arrastado (pelas circunstâncias) para uma intensa “caça ao tesouro”, tendo por elementos primordiais a milenar obra de Dante e as enigmáticas profecias de um jovem cientista milionário, Bertrand Zobrist (Ben Foster).
Amnésico e pressionado pelas autoridades locais (lícitas ou ilícitas), Robert e Sienna percorreram as ruas e os mais mediáticos monumento de Florença e os canais de Veneza, até chegarem a Istambul, numa viagem contra-relógio repleta de surpresas e desafios apocalíticos.

Nunca é fácil avaliar um filme, imparcialmente, depois de ter lido o livro que lhe deu origem. Neste caso específico fica a notória sensação que as alterações efetuadas afastaram em demasia a obra do seu propósito. De qualquer forma, no que à aventura e divertimento diz respeito, o filme cumpre em pleno a sua função… e só não dá uma enorme vontade de conhecer Florença, porque o roteiro turístico na capital da Toscana está já plenamente cumprido.

Depois de Sully, Hanks volta a demonstrar os seus imensos atributos e versatilidade, enquanto a jovem Felicity Jones parece lançada para um final de ano estrondoso, seguindo-se desde já A Monster Calls e, em Dezembro próximo, Rogue One: A Star Wars Story!

Novas aventuras se seguirão para Langdon, seguramente. Mas para (voltar a) ser relevante, Hanks, Howard e Koepp terão de depositar um esforço extra na construção de uma narrativa (mais fiel à obra de Dan Brown e) inteligente, coerente e, porque não, controversa!
Só assim fará sentido adaptar Lost Symbol.

Site
Trailer

About

Já vão 10 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Pub

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: