Home » Estreias » “Viver na Noite (Live by Night)” de Ben Affleck

“Viver na Noite (Live by Night)” de Ben Affleck

Caro Ben, não se pode acertar sempre!
Argo. The Town. Gone Baby Gone. Assim tem sido a carreira de Ben Affleck, atrás das câmaras.

É fácil de perceber que a expetativa tem vindo a crescer a cada filme, e com o sucesso de crítica, prémios e publico que Argo lhe gracejou, todos os olhos estavam neste Live by Night.

Romantismo q.b. com a recuperação dos turbulentos mas apaixonantes anos da Lei Seca. Um homem perdido entre o desejo de ser independente e o poder dos gangs (rivais) que controlavam o crime organizado em Boston. De um lado, italianos. Do outro, irlandeses. No meio, Joe Coughlin (Affleck). Assaltos de pequena monta. Amores proibidos (e/ou impossíveis). Um subcomissário da polícia, como pai (Brendan Gleeson).

Florida. O calor, as gentes e os genes das Caraíbas. As festas, as bebidas, o desejo de ser independente e a necessidade de mudar de vida. Joe (Affleck) prossegue o seu percurso, encontra novos amores e conquista novos aliados e inimigos.

O negócio (proibido) das bebidas alcoólicas está em declínio, com o anunciado fim da Lei Seca. Joe está prestes a tornar-se um “homem bom”. Procura novos negócios, novas oportunidades. Um novo futuro.

E podíamos continuar, e continuar, e continuar.
A principal ideia que nos ficou, logo ao sair da sala, é que estaríamos perante material mais do que suficiente para uma mini-série de 4 episódios, no mínimo. A história vai e volta com igual força e relevância. O universo da Máfia e dos Gangsters é, realmente, de uma riqueza narrativa invejável e Ben tem plena noção disso.
No entanto, não conseguiu ser suficientemente conciso para deixar a sua marca no género. Fazer um filme (fantástico) requer selecção, precisão e critério. Não faltam exemplos, dentro do género, para o demonstrar.

Em termos de realização, trabalho irrepreensível. As cores frias e brilhantes de Boston. As cores quentes e leves de Tampa. Toda a envolvência e desempenhos são os de um filme de qualidade. A camaleónica Sienna Miller – como sempre irreconhecível -, o charme exótico de Zoe Saldana, o pragmatismo de Chris Messina e a omnipresença de Ben Affleck. O enredo tem, sem dúvida, os seus momentos mas perde-se, demasiadas vezes, em voltas e reviravoltas, e regressos e revelações, sem um objetivo (bem) definido.

Em resumo, é um filme que dá prazer de ver mas que rapidamente se esfuma no esquecimento, por via dos muitos e muitos filmes que chegam às nossas salas de cinema a cada semana. E com outra qualidade.

Fica para a próxima, Ben.
Seja no filme a solo de Batman (ao que parece não será) ou noutra aventura qualquer…

 

Site
Trailer

About

Já vão 10 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Pub

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: