Home » Estreias » “Thor: Ragnarok” de Taika Waititi

“Thor: Ragnarok” de Taika Waititi

Há uma estranha devoção em torno deste Ragnarok que, à falta de expressão mais erudita, “passou-me ao lado”!

É inquestionável a sua relevância para o futuro próximo do MCU e a sua aproximação ao espírito, enredo e aspeto visual de Guardians of the Galaxy, e sequela. Ambas características que abonam bastante a seu favor, tornando-o mais divertido, mais ligeiro, mais aventureiro mas ao mesmo tempo determinante e sério.

Porém, pese embora as duas horas bem passadas, ficou-me apenas a sensação que foi bom rever bons amigos e que espero que voltem com a maior brevidade possível. Ou seja, nenhuma comoção, sentimento especial ou deslumbramento cinematográfico pelo que vi. Foi bom, sem dúvidas nenhumas, mas pouco mais.

O ponto alto do filme é a cumplicidade entre Hulk e Thor, especialmente enquanto o primeiro mantém a sua aparências mais esverdeada. Ruffalo, versão CGI, e Hemsworth mesclam com assaz sentido de humor e perspicácia, ao bom estilo dos filmes de aventuras. Com a “princesa” presa das masmorras, o seu dragão feroz é tudo o que lhe resta para congeminar uma fuga e mudar a contenda a seu favor. A questão é que para lá de Sakaar, Thor Ragnarok é um filme sem grande chama ou inovação.

Pelo meio ainda temos o cameo de Dr. Stange, a inconsequência do vastíssimo poder de Hela (Cate Blanchett), a aparente redenção de Loki (Tom Hiddleston), um bizarro e hilariante Jeff Goldblum no papel de Grandmaster e o surgimento da nova coqueluche feminina de Asgard, Valkyrie (Tessa Thompson).

Parece evidente que a soma das partes ultrapassa confortavelmente o todo. Ao detalhar os momentos e as personagens (novas e “velhas”) do filme fica a ideia que estamos perante um filme grandioso mas não é essa a sensação que nos ocorre durante o filme. “Culpa” disso está num início algo insólito e num desenlace algo aborrecido que, para lá da solução-final, é demasiado recorrente e previsível. Ragnarok começa e acaba mais ou menos da mesma forma (que o diga Surtur) e, neste caso em concreto, a virtude está totalmente no meio (do filme)!

Thor percorre os confins da galáxia em busca das Infinity Stones. É aprisionado por Surtur, regressa a Asgard. Fica aprisionado em Sakaar, reencontra Hulk, conhece Valkyrie, faz as pazes com Loki e volta a Asgaard para enfrentar Hela. Monta uma equipa de super-heróis. Ragnarok.

Haveria (muito) mais para contar mas é complicado fazê-lo sem revelar em demasia o enredo do filme. Uma coisa é certa. O percurso de Thor e dos demais Vingadores parece seguir irremediavelmente na mesma direção. Ainda antes do 3º encontro, os terranos terão oportunidade de acertar agulhas em Black Panther… porque a Infinity War está mesmo, mesmo, prestes a começar (Maio, 2018).

Quanto a Thor e à sua (nova) equipa, eles parecem mais do que preparados para o que aí vem. Só quero ver quando esta malta se deparar com uns certos Guardiões da Galáxia…

  

Site
Trailer

About

Já vão 10 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Pub

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: