Home » Estreias » “Star Wars: Os Últimos Jedi (The Last Jedi)” de Rian Johnson

“Star Wars: Os Últimos Jedi (The Last Jedi)” de Rian Johnson


Não sei se estivemos perante o outro lado (negro) da Força mas tenho a certeza que The Last Jedi ficará na memória como um dos filmes mais marcantes da saga Star Wars.

Depois de The Force Awakens ter-se revelado pouco mais do que uma homenagem ao Universo Star Wars, com imensas piscadelas de olho ao passado e ao imaginário coletivo de todos os fãs (e intervenientes) da saga, Rian Johnson “limitou-se” a partir tudo e preparar o futuro para os próximos (largos) anos.

Não é normal que o filme do meio de uma trilogia tenha um impacto tão grande em termos narrativos e estruturais. Esse é o maior feito do realizador do Maryland, a coragem para desafiar dogmas com mais de 40 anos e criar um novo palco para os novos heróis da saga.

The Last Jedi começa extamente onde o seu antecessor terminou. Rey (Daisy Ridley) na presença de Luke Skywalker (Mark Hamill), o último Jedi (vivo). Finn (John Boyega) a recuperar fôlego para novas aventuras. Poe (Oscar Isaac) a desafiar a Primeira Ordem. Leia (Carrie Fisher) a fugir do seu destino. E toda uma série de novas personagens que preenchem o nosso imaginário e fazem-nos crer e querer mais. E haveria muito mais para contar…

Visualmente o filme é igualmente deslumbrante. Pessoalmente o destaque vai para a sequencia em Crait (no final do filme) mas não faltam novos mundos a explorar, novas personagens surpreendentes e mais viagens e naves espaciais!

Arrisco-me a dizer que trata-se do melhor filme da saga Star Wars que já vi numa sala de cinema, i.e., para lá da primeira trilogia. Divertido, emocional, inspirador e, sobretudo, inovador. O que não é nada fácil, num Universo tão escrutinado e idolatrado quanto este.

Para o ano teremos o regresso às origens de Han Solo e para finais de 2019, o fechar da 3ª trilogia da saga Star Wars. J.J. Abrams voltará a pegar na batuta mas depois da contribuição de Rian Johnson, a tela está quase em branco para ser preenchida a seu belo prazer. E dos fãs.

Não estarão na posição mais confortável, os fãs, mas mais friamente daqui a uns dias (ou semanas, neste caso) será fácil concluir que Johnson fez aquilo que Abrams devia ter tido coragem de fazer: mostrou-nos todo o potencial da saga, mas de forma corajosa, inteligente e desafiadora.

Não terá sido à toa que a Disney/LucasFilm já o incumbiu de preprar o futuro do franchise, para lá de 2020. Está entregue em boas mãos, sim senhor!

May the force be with you (all)!

 

Site
Trailer

About

Já vão 10 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Pub

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: