Home » Estreias » “As Estrelas Não Morrem em Liverpool (Film Stars Don’t Die in Liverpool)” de Paul McGuigan

“As Estrelas Não Morrem em Liverpool (Film Stars Don’t Die in Liverpool)” de Paul McGuigan

Há filmes que ficam como que perdidos na nossa lista de espera, até conhecerem o preto e branco (ou laranja e azul) do nosso site.

Nem sempre a culpa é totalmente nossa. No caso deste Film Stars Don’t Die in Liverpool partilhamos as responsabilidades com o próprio filme, esquecido no turbilhão da temporada dos prémios, apesar do trio de nomeações aos BAFTA (Annette Bening, Jamie Bell e o argumentista Matt Greenhalgh).

A questão é que para lá dos prémios da academia britânica, o filme de Paul McGuigan pouco burburinho causou, e numa altura em que muitos dos pesos pesados estreiam nas nossas salas de cinema, não é fácil destacar-se da manada sem o auxílio das nomeações.

Inegavelmente Jamie Bell e, sobretudo, Annette Bening fizeram a sua parte. Aliás, será até discutível a opção de Hollywood em descartar Annette em favor de Streep mas, lá está, sem as nomeações, The Post corria o risco de ser esquecido… e isso nunca iria acontecer. A actriz de American Beauty e The Kids Are All Right tem aqui um dos melhores desempenhos da sua já longa carreira, com uma amplitude de emoções, sentimentos e comportamentos invejáveis. Ou como diriam os mais sábios “na saúde e na doença, na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza”…

A relação entre Gloria Grahame (Bening) e Peter Turner (Bell) não podia ter começado de forma mais inocente, em Londres como vizinhos. Apesar da diferença de idades, Gloria é quase 30 anos mais velha do que Peter, o casal partilha o gosto pela representação, pelo cinema e um pelo outro. O mundo que os separa é outro. Gloria é uma reputada atriz norte-americana enquanto Peter ainda tem 2 empregos para compensar as desilusões artísticas.

O twist é que o enredo é baseado numa história verídica! Gloria Grahame foi uma atriz de grande sucesso do cinema a preto e branco, com especial apetite para os papéis de femme fatale. Imagem alimentada por uma vida amorosa bastante turbulenta e sui generis. Peter era de Liverpool.

Uma rápida e resumida leitura pela vida e obra de Gloria, facilmente dá a perceber que há ali material para uma (ou múltiplas) trilogias. Aliás, o filme não se incumbe de referir, mais do que uma vez, que a vida da talentosa atriz terá sido tudo menos monótona.

Não querendo recorrer ao típico chavão (mas fazendo-o), é uma daqueles filmes que se faria antigamente (há uns 20, 25 anos) para entrar na corrida dos Oscars. Uma história apaixonante, uma pitada de intriga, segredo e escândalo, uma dupla de atores de qualidade, secundários com carisma e segurança e aquela áurea de melodrama inglês.

Foi realmente apaixonante mas efémero, tal como o romance.

   

Site
Trailer

About

Já vão 10 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Pub

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: