Home » Estreias » “Aquaman” de James Wan

“Aquaman” de James Wan

Não querendo retirar mérito ao trabalho realizado, ficou-nos a sensação que o sucesso deste Aquaman diz mais dos atuais espetadores de cinema do que, propriamente, do cinema em si.

Um herói (bruta-montes) reluctante e rabugento, uma moça bem parecida, muito CGI, fantasia e super-heroismos por obrigação. Será mais ou menos este o desejo secreto do espetador (adolescente) de cinema.

Não é à toa que Dwayne Johnsson é a maior estrela de cinema da atualidade…

Comparações à parte, Jason Momoa faz o seu papel. Depois de breves aparições nos filmes de Justice League, o lutador de luta livre tornado ator, tem direito a pleno protagonismo neste Aquaman mas não vem sozinho. Amber Heard é a “moça em apuros” a necessitar de ajuda (ou será mais ao contrário??) enquanto Patrick Wilson assume, ainda que de forma algo artificial,  o papel de vilão.

Um pouco à imagem do sucedido com Black Panther a comoção em torno deste novo filme de super-heróis passou-nos um bocadinho ao lado. O entretenimento é bom, os efeitos especiais também, mas, o que realmente apreciamos foram os (breves) momentos acima da água. Lá, onde Arthur e Mera se confundem com o comum dos mortais, o filme ganha outra solidez e proximidade que teima em desvanecer-se quando submersa.

O imenso oceano que abarca a larga maioria do filme pode ser vibrante, entusiasmante e até desafiante mas, no final, não deixa de ser uma tela verde recheada de pixels! Trabalho de grande qualidade, deva-se acrescentar mas demasiado artificial para ser sentido.

Nos primórdios do projeto Marvel, o maior elogio que lhe era feito residia na sua capacidade em ser real! Iron Man era quase um “gajo normal”. Captain American, também (mas com esteróides). E a Nick Fury apenas lhe falta um olho. Pode parecer estranho para uma saga de SUPER-HERÓIS(!!) mas foi isso que captou a atenção e imaginação de uma vastíssima legião de fãs.

Quando a DC Comics “entrou em campo” já não havia espaço para grandes realismos, mesmo que o filme a solo de Wonder Woman seja a prova viva que contextualizar a ação na I Guerra Mundial (ao invés da Atlântida) trará, sempre, resultados mais autênticos.

James Wan fez o seu trabalho. E garantiu ao seu projeto uma, ou várias, sequelas. Nos dias de hoje é difícil pedir muito mais. Agora só falta a Warner Bros esquecer essa obsessão por vilões catastróficos e batalhas inter-planetárias e apostar em histórias mais cirúrgicas e pessoais. Dizemos nós.

Alheado da vida das profundezas do mar em virtude do destino que esta reservou para a sua mãe (Nicole Kidman), Arthur (Momoa) acaba por, relutantemente, aceder ao pedido de Mera – e do seu mentor Vulko (Willem Dafoe) – para reclamar o trono da Atlântida. Mas, mesmo antes de desafir o “Rei” Orm (Wilson), Arhtur e Mera terão de enfrentar outros perigos e aventuras bem mais mundanas e latentes.

É um filme de aventuras com alguns momentos visualmente deslumbrantes, bom humor, ação, uma pitada de romance e um super-herói com imenso potencial.

Depois de WW e deste Aquaman fica a certeza que a Warner deveria ter apostado nos filmes a solo antes de se aventurar em grandes produções “coletivas”.

Alguém, ainda, tem dúvidas disso?!?

Aquaman will return. Mais depressa do que seria expetável, há um mês…

   

Site
Trailer

About

Já vão 12 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Pub

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: