Home » Estreias » “Um Dia de Chuva em Nova Iorque (A Rainy Day in New York)” de Woody Allen

“Um Dia de Chuva em Nova Iorque (A Rainy Day in New York)” de Woody Allen

E pensar que se ia perdendo (se é que não se perdeu, pelo menos na plenitude do seu potencial) uma das mais adoráveis obras de Woody Allen dos últimos anos…

O mínimo que posso dizer é que depois do Outono e do Inverno, ficou uma ternurenta vontade de voltar a Nova Iorque na Primavera.

Quem nos acompanha há mais tempo, sabe bem da intimidade entre os cartões postais que o cineasta norte-americano assinou nos últimos 15 anos e a nossa definição de espaço e tempo de lazer. E, ficou a plena sensação que pouco ou nada mudou. Vemos o MET, o Central Park, o Soho e a 5ª Avenida e só pensamos… em lá voltar!

Esse poder de atração (não confundir com o slogan do conhecido desodorizante!) é uma das marcas inegáveis da obra de Woody Allen, pelo menos neste século. A outra é a sua capacidade de (auto)ironia, de sarcasmo, de masoquismo. O protagonista fragilizado pela situação e pela (ausência) razão. O destino implacável e sádico. O humor refinado.

Allen tem esse terno condão de tornar cada história familiar e surpreendente, ao mesmo tempo. Reconhecemos o estilo, e ultrapassado a desconfiança inicial, deixamo-nos levar de ironia em ironia, de detalhe em detalhe, de cenário em cenário.

Gatsby (Timothée Chalamet) e Ashleigh (Elle Fanning) vão passar o fim-de-semana a Nova Iorque. A jovem do Arizona tem marcada uma entrevista com um dos mais famosos realizadores de cinema da atualidade e o jovem nova-iorquino não vai perder a oportunidade para mostrar à nova namorada, a “sua” cidade.
Mas, New York tem uma implacável vontade própria (é o próprio Gatsby que o afirma mais do que uma vez) e o plano inicial rapidamente se desvanece para dar lugar a outro “filme”.

Para além da dupla de protagonistas, como é apanágio da obra do realizador nova-iorquino, o elenco é composto de um conjunto de atores e reconhecida qualidade. Liev Schreiber, Jude Law, Selena Gomez (provavelmente a maior surpresa do filme), Diego Luna, Rebecca Hall ou Cherry Jones são alguns dos nomes que ajudam a compor uma daquelas histórias com camadas “infinitas”, mas que, por incrível que pareça, acaba por encerrar de forma harmoniosa e coerente.

Não sei se é caso para dizer que Nova Iorque não voltará a ser a mesma, até porque a Big Apple é uma daquelas cidades em constante mutação e evolução.
Mas é, seguramente, motivo para se compreender o seu apelo hipnotizante e matar um pouco da saudade.

Numa próxima Primavera, perto de mim…

About

Já vão 12 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: