Home » Estreias » “Mulherzinhas (Little Women)” de Greta Gerwig

“Mulherzinhas (Little Women)” de Greta Gerwig

Justiça seja feita ao brilhante trabalho realizado por Greta Gerwig nas suas duas experiências atrás das câmaras.

Depois de Lady Bird em 2017, a jovem atriz/realizadora volta a demonstrar um talento inaudito para contar histórias sinceras e peculiares, com uma ternura e boa disposição ímpares.

Se no primeiro filme, com traços autobiográficos, o destaque era precisamente para o lado mais pessoal da história retratada. Desta vez, o que mais nos cativou foi a forma como a realizadora e argumentista pegou numa história com mais de 150 anos e lhe transmitiu uma frescura e uma paixão muito próprias e revigorantes.

A história de Louisa May Alcott já conheceu outras adaptações, mas nenhuma com a leveza de espírito e a acutilância da assinada por Gerwig. Isto não quer dizer que estejamos perante um mero “passeio alegre” durante as mais de 2h de filme, bem pelo contrário. A história das irmãs March é plenamente respeitada e enaltecida, fazendo sorrir, chorar, duvidar e apaixonar, de forma plena e honesta.

Pessoalmente, foi uma bela surpresa. Naturalmente que a fama que acompanhava o filme, indicaria que estaríamos realmente perante algo diferente e qualitativo, mas honestamente ficou bem acima das nossas expetativas.

Juntamente com a argumentista/realizador, o mérito tem de ser dividido com as 4 protagonistas. Saoirse Ronan, Emma Watson, Florence Pugh e Eliza Scanlen, que cumprem com distinção a sua função. As quatro irmãs March, Jo, Meg, Amy e Beth, respetivamente, são obviamente o epicentro da história que encanta fãs há dezenas e dezenas de décadas.

Cada uma com os seus sonhos, cada uma com as suas opções e incertezas, este coming of age intemporal continua a ser uma história fantástica de perseverança, respeito pelas diferenças e camaradagem.

Numa era em que o papel da mulher resumia-se, na maioria das vezes, ao de dona do lar, um adorável quarteto de irmãs ousou sonhar! Jo (Ronan) a mais irreverente, procurou a independência e a liberdade que só a escrita lhe garantiria. Meg (Watson) adorava representar, Amy (Pugh) a pintura e Beth (Scanlen) o piano. Mas residia na sua união, o verdadeiro segredo da sua emancipação.
Pelo menos, na versão mais romântica da história.

Gerwig pega nesse romantismo e paixão e transforma-os num filme contemporâneo, divertido e inteligente. A história evolui a dois tempos e a duas velocidades, até ao ponto em que o inevitável se une com o imprevisível.

Foi realmente surpreendente.
Numa forma doce e calorosa.

About

Já vão 12 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Comments

  1. Eduardo diz:

    Tava na dúvida se via o filme ou ñ… Depois deste texto garantoq vou ver o filme obrigao 😉

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: