Home » News » Em Abril, nos cinemas…

Em Abril, nos cinemas…

Abril,

mais propriamente 25 de Abril, é sinónimo de AVENGERS: ENDGAME. E esta antevisão podia ficar por aqui. Seria injusto para os demais, mas, até certo ponto, seria sincero da nossa parte.
Os irmãos Russo concluem o arco narrativo iniciado há 11 anos atrás com Iron Man e sucintamente descrito no nosso Marvel Stud10s… mas, também, o enredo do magnânimo Infinity War. Houve muitos filmes em 2018, alguns mesmo dentro do género dos super-heróis que foram mais idolatrados e elogiados, mas NENHUM reteve os espetadores (num limpo) como o terceiro capítulo de Avengers. Whatever It Takes é o mote para o filme que marcará o final da Phase III do MCU e, muito presumivelmente, o início de um “novo mundo” para a Marvel. O único senão é que as expetativas para voltar a ver Chris Evans, Robert Downey Jr., Chris Hemsworth, Mark Rufalo, Scarlet Johansson, Jeremy Renner e Josh Brolin uma última(??) vez, NÃO podiam ser mais elevadas. Faltam 27 dias.

Numa altura em que a Marvel parece totalmente imbatível (e prestes a juntar os super-heróis na Fox ao seu catálogo), a DC Comics procura confirmar os sinais positivos deixados por Aquaman. Decidida a deixar de para segundo plano o seu Universo Cinemático, a Warner Bros. aposta na diversidade dos seus heróis e SHAZAM! é, realmente, um achado. Para quem não estava, como nós familiarizado para este atípico super-herói com poderes dignos de um super homem e um humor jovial, basta dizer que trata-se de um miúdo de 14 anos que se transforma num adulto de capa e dotes sobre humanos, ao gritar a palavra mágica. Zachary Levi dá corpo e estilo ao herói na versão adulta e inconsequente, enquanto Asher Angel é o franzino Billy Batson (o miúdo de 14 anos!). Ação, aventura, humor e um vilão com os jeitos e maneiras de Mark Strong. Alinho.

Já que estamos numa de diversidade. Que tal um anti-super-herói. 2019 marca o regresso de HELLBOY, a versão amigável do diabo, agora com David Harbour na pele de protagonista. 15 anos depois de Guillermo del Toro e Ron Perlman terem dado a conhecer ao mundo (cinematográfico) uma das personagens mais irreverentes do (sub-)mundo dos super-heróis, chegou a hora de um reboot. Tal como referido, o improvável Harbour é o protagonista, enquanto Milla Jovovich assume o papel de vilã, num filme que conta ainda com Ian McShane, Daniel Dae Kim, Thomas Haden Church e Brian Gleeson. A história é a do costume, uma bruxa que quer destruir o mundo, um demónio chamado das trevas para nos salvar.

Por falar em bruxas, o terror este mês fica entregue a THE CURSE OF LA LLORONA. O feedback tem virado muitas cabeças e as primeiras imagens deixam antever uma obra realmente aterrador. Claro que, só vendo, para perceber a solidez do enredo, a criatividade dos sustos, a inteligência das decisões das personagens. No que diz respeito ao responsável máximo, Michael Chaves parece ter feito um bom trabalho. O seu nome é apontado como o realizador do terceiro capítulo da saga The Conjuring. E não será uma mera coincidência, para os mais distraídos, como nós, falta apenas lembrar que La Llorana faz parte, juntamente com os filmes The Conjuring, Annabelle e The Nun de um mesmo Universo Cinemático dedicado ao terror. Interligando histórias e personagens, aterrorizando os espetadores e amplificando o fascínio dos fãs do género. Estás, realmente, preparado?

Viramos 180º e chegamos a DEMI SOEURS. Comédia rima com cinema francês, gramaticalmente talvez não, mas por estes dias restam poucas dúvidas do potencial do género oriundo do hexágono. A proximidade cultural é substancialmente superior quando comparamos com as comédias (muitas vezes escatológicas, exageradas e de gosto duvidoso) oriundas dos EUA. A linguagem bem mais natural, as personagens invariavelmente mais autênticas, as piadas mais adultas e repletas de bom senso e coerência. Neste caso acompanhamos 3 raparigas obrigadas a partilhar um apartamento parisiense quando descobrem que são meias irmãs, todas de relacionamentos distintos e sem conhecerem a existência umas das outras. E está lançada a confusão… e a comédia!

Nova reviravolta e entramos no cinema de animação. A aposta para este mês (estranhamente das poucas, em mês de férias da Páscoa) é WONDER PARK. Oriunda dos modestos estúdios cinematográficos da Nickelodeon, a animação tem por ponto de partida a sugestiva história de uma sonhadora menina que vê o seu parque de diversão imaginário, ganhar vida. Com uma temática intimamente infantil, o filme dirá muito mais à pequenada do que aos mais graúdos, mas quando se fala em Parque de Diversões é difícil, para qualquer pessoa, ficar indiferente. Sonhos, fábulas, montanhas russas, diversão e coragem são alguns dos elementos de um filme de parcas ambições mas cheio de coração.

Vamos subindo na escala, ou melhor, na faixa etária, até AFTER. Parece já um chavão ultrapassado a afirmação que as Young Adult Adaptations estão em desuso, mas, numa altura em que as comédias românticas, os romances juvenis e os literários tardam em recuperar o seu espaço nas salas de cinema, todo e qualquer raio de luz é bem vindo! Recuperando o romance de Anna Todd, o filme de Jenny Cage acompanha uma jovem adolescente que se apaixona por um misterioso rapaz. Os livros já conheceram várias sequelas – e até mesmo uma prequela – pelo que pode ser o início de uma bela… relação! Josephine Langford desempenha o papel de Tessa enquanto Hero Fiennes-Tiffin será Hardin. O filme conta ainda com Salma Blair e Peter Gallagher, nos papéis de mãe dela e pai dele, respetivamente. Pessoalmente, desconheço o que se passará depois do boy meets girl mas não há nada como abraçar o desconhecido sem qualquer expetativa. Quem sabe ainda vamos a tempo de nos surpreender… e apaixonar pela história de Bella e Hardin. Pelo menos há milhões de leitores que já o fizeram, em todo o mundo!

Mais um patamar na escala (do Amor). Desta vez, Amor em tempos de Guerra. Ou, mais propriamente, no pós-guerra. THE AFTERMATCH é baseado no romance homónimo de Rhidian Brook e promete colocar a nu as imprevisibilidades do amor… e as suas consequências. Situado na Alemanha, exatamente no ano de 1946, o filme revolve em torno do triângulo amoroso criado por um Coronel britânico destacado para acompanhar a reconstrução de Hamburgo, pela sua mulher que se junta a ele numa vasta mansão no campo e pelo viúvo alemão, dono da casa. Jason Clarke, Keira Knightley e Alexander Skarsgård formam o trio de protagonistas às ordens do britânico James Kent. A mistura explosiva de romance proibido com as feridas de uma longa Guerra são motivo mais do que suficiente para captar a nossa atenção e esperar o melhor. Mesmo que venha a ser emocionalmente doloroso de se ver.

Mudamos de registo mas aumentamos a autenticidade. Há mitos que perduram, tanto na vida real, como no entretenimento. Ninguém parece saber muito bem de onde vêm e se realmente aconteceram. É para isso que temos STOCKHOLM. Podia ser um daqueles filmes-cartão postal, para homenagear a capital da Suécia mas está muito longe de o ser. Apesar de ter sido rodado na Escandinávia (e no Canada), o filme de Robert Budreau é muito mais sobre o Síndrome do que sobre a cidade. Em meados dos anos 70, um grupo de assaltantes sequestrou os funcionários e clientes de um banco durante um peculiar roubo. A atração entre vítimas e bandidos durante e após o assalto, passou a ser conhecido como o Síndrome de Estocolmo. Ethan Hawke, Noomi Rapace e Mark Strong forma o trio de protagonistas deste thriller que podia muito bem ser uma comédia dramática, não fosse baseado em factos verídicos. É um dos mais nomeados aos Prémios de Cinema Canadianos e daqueles filmes que se ama (ou odeia?) à primeira vista!
NOTA DA DISTRIBUIDORA: A estreia do filme adiou para 23 de Maio.

Fechamos o mês com Isabelle Huppert. Não é habitual vermos a premiada e amada atriz francesa num filme inglês mas às ordens do realizador irlandês Neil Jordan a veterana parece mais sagaz do que nunca. Tenebrosa e assustadora a sua GRETA parece realmente implacável e doentia e, dúvidas houvesse, o próprio trailer trata de nos explicar que nem tudo o que vemos será verdade. Chloë Grace Moretz será apenas a mais recente vítima de uma psicopata… ou algo mais? A jovem atriz tem sabido conjugar grandes produções (como Kick Ass) com filmes mais intimistas e peculiares e, desta vez, tem direito ainda a umas aulas de representação totalmente gratuitas. Esperemos que a jovem, prestes a entrar na idade adulta, tenha traquejo para acompanhar Huppert. Se assim for, temos filme! Porque uma jovem indefesa pode ser uma presa fácil para uma viúva vingativa. Mas será apenas isso?

Avengers: Endgame, Shazam!, Hellboy, A Maldição da Mulher que Chora, Parque das Maravilhas e Irmãs a Meias são distribuídos pela NOS Audiovisuais.
O Dia a Seguir é distribuído pela Big Picture Films
Greta – Viúva Solitária é distribuído pela Pris Audiovisuais.
Síndrome de Estocolmo é distribuído pela Films4You.
After é distribuído pela Cinemundo.

About

Já vão 12 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Comments

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: