Passatempos Online

Home » Estreias » “Retrato da Rapariga em Chamas (Portrait de la Jeune Fille en Feu)” de Céline Sciamma

“Retrato da Rapariga em Chamas (Portrait de la Jeune Fille en Feu)” de Céline Sciamma

Se o cinema fosse uma imagem (ou uma pintura) estávamos bem entregues.

Claire Mathon levou para casa o Cesar de Melhor Fotografia, e nada pode ser mais natural. Não só a forma como cada imagem reflete a história deste Portrait de la Jeune Fille en Feu, mas, mais ainda, a beleza intrínseca de alguns momentos que ficam, por si só, na retina do espetador.

Entre a dor da solidão e a doçura da descoberta, o filme de Céline Sciamma é um belo exemplo do velho romantismo clássico, dos amores impossíveis e intemporais. Vivemos e sofremos com a inocência do primeiro amor, com a alegria do primeiro amor, com a exuberância do primeiro amor.

É belo, desconcertante e visualmente retumbante.

Já a história é um pouco mais comum do que seria desejável. Um artista que se enamora pelas sua retratada é daqueles enredos com reflexos na História da Idade Média… aos dias de hoje.

O argumento, premiado pelo festival de Cannes, concretiza um crescendo de intensidade e paixão que deixaria antever um clímax bem mais original ou desconcertante. Ao invés, acaba por seguir a mais clássica das linhas narrativas, sem chama ou brilho.

Noémie Merlant é a pintora, talentosa mas incauta, que chega a um palácio inóspito em plena Bretanha, para pintar o retrato de uma jovem mulher. Héloïse (Adèle Haenel) está prometida para casamento, mas antes o seu abastado pretendente pretende um retrato para “conhecer” a sua “amada”.
Estamos no final do século XVIII e há toda uma cultura e uma raison d’être que ultrapassa qualquer ambição de liberdade. O que não quer dizer que não haja espaço para… Amar!

Foi Arte!
Faltou, quiçá, (algum) Cinema.

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: