Passatempos Online

Home » Estreias » “Aviso Vermelho (Red Notice)” de Rawson Marshall Thurber

“Aviso Vermelho (Red Notice)” de Rawson Marshall Thurber

Gal Gadot, Ryan Reynolds e Dwayne Johnson num filme de aventuras, caça ao tesouro e entretenimento NÃO É Cinema para se ver no pequeno ecrã. E assim (não) foi!

Há meses que este Red Notice tinha vindo a ser promovido como um dos maiores blockbusters de sempre da Netflix. E o local de um blockbuster é numa Sala de Cinema. Quanto maior, melhor, dizem os entendidos… a propósito da tela.

E não desilude. A história pode ter os seus furos e lacunas, mas daí em diante é o mais puro entretenimento! O filme segue a ritmo vertiginoso, nunca escondendo as suas origens (e limitações orçamentais) mas tentando ao máximo esconder os seus pontos mais fracos e valorizando os seus principais trunfos.

Nesse capítulo o trio de protagonistas segue à risca as instruções (de RDT). A química entre os 3 é latente, tanto em conjunto como aos pares. Cumplicidade e, sobretudo, muito talento para entreter e divertir os espetadores. E depois quando o filme parece ter chegado ao fim, ainda é possível esticar mais um bocadinho para fazer a vontade aos sedentos fãs do género. Já para não falar nos expectáveis próximos capítulos das (des)aventuras de Nolan Booth e The Bishop!

Gal Gadot e Ryan Reynolds são dois (ou melhor, os dois) ladrões mais famosos do mundo, amealhando peças de arte e outros artefactos para rechear as suas contas bancárias… e o ego. Numa saudável mas perigosa disputa, os seus caminhos cruzam-se frequentemente, até ao dia em que o agente do FBI, John Hartley, interfere nos seus desígnios e faz desequilibrar a balança.
Mas nem tudo é o que parece. Nem todos são quem aparentam ser. E nada como uma boa caça ao tesouro para motivar estas mentes enganadoras e divertidas.

Entramos rapidamente no espírito e seguimos o enredo a rápida velocidade. Sempre com a dose certa de intriga, mistério e bom humor, vamos desvendando segredos e intenções, com mesma a velocidade a que se decifra a combinação de um cofre ou se dança um tango.

E não conseguimos deixar de sorrir (ou rir às gargalhadas, em alguns casos) e vibrar com tamanha ousadia e desplante.

É, também, por causa deste Cinema que aguardamos que tudo volte à normalidade. Cinema descontraído e divertido que preenche o serão de sábado à noite e nos leva para outro mundo.

Leave a Reply

%d bloggers like this: