Passatempos

Home » Estreias » “Os Miseráveis (Les Misérables)” de Tom Hooper

“Os Miseráveis (Les Misérables)” de Tom Hooper

Falta um ou outro comentário de 2012 (promete que muito brevemente fica tudo em dia) mas avançamos já com o 1º (grande!) filme de 2013.

Nunca antes vi (ou li) Les Misérables. Para além do conhecimento comum de se tratar de um romance escrito por Victor Hugo em meados do séculos XIX e de ter a Revolução Francesa como pano de fundo, pouco ou nada sabia acrescentar.

Do musical conhecia a reputação e os longos anos de exibição e a confortável sensação de ter uma (ou várias) daquelas músicas que nos entram no ouvido (e lá permanecem) sem sabermos ao certo de onde vêem.

Depois do sucesso comercial e da crítica do seu The King’s Speech, Tom Hooper aventura-se agora pelo musical sem contudo, deixar de querer inovar e cativar-nos. Para além de todo o ambiente de produção (direcção artística, guarda-roupa, caracterização, som) que vê-se e, mais importante, sente-se durante todo o filme, o realizador britânico “obrigou” todo o seu elenco a cantar ao vivo (em vez de se limitarem a fazer playback no set), transmitindo ao musical uma naturalidade raramente vista na 7ª arte.

Durante mais de 2h todo o elenco – ok!… com a excepção de Russell Crowe – (en)canta de forma irrepreensível! As cenas sucedem-se, a história evolui e a dada altura ficamos na dúvida se estamos a ver ouvir um musical do West End (ou da Broadway) ou se estamos, de facto, sentados numa sala de cinema em Portugal!

Neste capítulo nota máxima para Anne Hathaway. A sua Fantine (e a sua interpretação de I Dreamed a Dream) é de uma fragilidade e de uma autenticidade que faz arrepiar os cabelos da medula! É um daqueles momentos que só por si já vale um Oscar, e aparentemente o mesmo (como Actriz Secundária) não lhe fugirá!
Hugh Jackman raramente falha, os mais jovens Amanda Seyfried, Eddie Redmayne e Samantha Banks não comprometem e a dupla formada por Sasha Baron Cohen e Helena Bonham Carter ajuda a dar um tom ainda mais pitoresco (e humorado) a uma obra bastante completa!

A primeira parte do filme é de uma qualidade e intensidade descomunal, encadeando momentos imperdíveis. Porém, contrariando a minha expectativa inicial, a energia acumulada acaba por se esfumar suavemente (tipo válvula de escape) ao invés de arrebentar por completo com o filme.
O desenlace é mais comedido, menos exuberante mas nunca decepcionante.

Les Misérables era uma obra memorável e actual há 150 anos atrás e continua a sê-lo nos nossos dias. A injustiça, o amor, a desigualdade, a esperança, a perda e a redenção (assim como a crise económica e de valores) continuam, infelizmente, a ser denominadores comuns a qualquer sociedade contemporânea.
Victor Hugo foi “apenas” o primeiro a transmiti-lo de forma tão singela e natural.

Les Misérables, versão Tom Hooper, é um musical! Um filme onde os actores cantam ao vivo. Uma obra arrepiante e desconcertante que tem encantado o público de todo o Mundo. Um imenso candidato aos prémios dos melhores do ano. Um filme obrigatório!

Até ao momento o Melhor do Ano (que agora começa) e no final, seguramente, dos melhores de 2013!

Site Oficial
Trailer
Trailer 2

About

Já vão 16 anos desde que começámos este projeto. Expandimos para o facebook, para o twitter, para o youtube para o instagram e agora temos um site personalizado. Publicamos crítica, oferecemos convites e partilhamos a nossa paixão pelo cinema. Obrigado por fazeres parte dela!

Leave a Reply

%d bloggers like this: